sexta-feira, abril 20, 2007

Deixa-me…

sentir o cheiro da tua pele para que nunca mais me seja caída a memória de que um dia estivemos de mão dada, permite-me o açúcar do teu sangue, num corpo saciado, numa alma sedenta… pára frente a esse espelho e no teu olhar procura-me, estarei no fundo dessa imagem que projectas, de mãos abertas, mas caídas, aguardando a tua permissão para um passo em frente.

Embalemos as almas num berço de algodão e veludo preto entrelaçado, onde o ombro é almofada e o beijo o descanso, abraça-me forte depois de uma longa viagem, diz-me que me amas, lê o teu nome nas minhas rugas, sente o meu amor por ti, na minha respiração.

Nas tuas costas cantarei as minhas alegrias e nos teus olhos proclamarei em poesia, este amor…

Amor é viver na incerteza de ser possível tamanha grandeza, imensurável ao homem, apenas feita para o homem…

Amor é partir para o incerto com a única certeza do que se leva no coração

Amor é sentir a mão ausente do amor partido

Amor é cair no chão, e saber que vale a pena erguer

Amor é preto para que possa ser pincelado por cores nossas

Amor é bruto, para que seja mais tarde arte

Amor é carregar angústias sem igual, por saber que temos arcaboiço para aguenta-las

Amor é um risco de cocaína, que nos leva à mais densa floresta de criaturas fantásticas

Amor é aceitar o defeito e amá-lo acima da qualidade

Amor é sentir a companhia perdida, num quarto escuro e medonho

Amor é partilhar o imaginário, e rir do real

Amor é perder a noção de tempo

Amor é sentir a grandeza da simplicidade

Amor é perder a capacidade de falar

Amor é chorar de medo

Amor rejeita a indiferença

Amor permite escapar, mas não permite fugir

Amor aceita o silêncio

Amor é loucura racionalizada, completamente alucinada…

Completamente embriagada, arregalei os olhos, perdi a noção do peso do corpo que me invadiu, do tempo… peguei no dinheiro, que meu de direito, senti o cheiro acre daquele corpo arfante na minha pele, não tenho tempo para sentir nojo…

– Valente puta me saíste!

- Já me disseram isso antes…

- Encontro-te sempre no mesmo sítio?...

Olho-o no fundo dos olhos, continuo a vestir-me e pergunto-me se é possível ser mais carente.

- Se não me encontrares, espera-me, da próxima trago novidades por mais uns trocos.

Saio porta fora, sem tempo de nojo, sem tempo de pensar, apenas procuro naquela brisa de início de noite, o pensamento anterior a tudo isto…

4 comentários:

Masturbatrix disse...

"Amor é bruto, para que seja mais tarde arte"
Se houvesse apenas uma expressão a reter, guardaria esta.
Magnífico, este texto.

Puta arrogante disse...

Concordo com o Masturbatrix!!!!

Quem diria que enquanto o Putedo galhofava numa ala da Caverna Encantada, noutra uma solitária Valente criava maravilhas?

Gosto muito de ti...de nós...gosto, Gosto, GOSTO!

:)

Puta valente disse...

Masturbatrix_ Deixa-me lisonjeada com a tua frequência e a tua opinião, agradeço-te muito e espero que continues a passar por palavras desta inquieta alma que me habita

Arrogante_Foi escondida na angustia de ser intolerante que procurei uma luz, saiu isto :)

Masturbatrix disse...

Não agradeças, o prazer é meu.. Venho!... e obrigado.

...o pior é a minha lindinha, se sabe que ando a falar com putas...


:)