sexta-feira, dezembro 15, 2006

À Paciência:


“Sê paciente; espera
que a palavra amadureça
e se desprenda como um fruto
ao passar o vento que a mereça.”

Eugenio de Andrade
E ao anoitecer

“E ao anoitecer adquires nome de ilha ou de vulcão
deixas viver sobre a pele uma criança de lume
e na fria lava da noite ensinas ao corpo
a paciência o amor o abandono das palavras
o silêncio e a difícil arte da melancolia”
Al berto

Puta Arrogante

2 comentários:

sobre-nada disse...

Adoro este poema... ;) Gracias!

Nuno Martins disse...

Adorei o poema. Um beijinho e votos sinceros de um Feliz Natal