terça-feira, dezembro 19, 2006

e À minha própria Arrogância:


Oh fera independente da casa,
arrogante vestígio da noite,
preguiçoso (…) e alheio, (…)
polícia secreta dos quartos,
insígnia de um desaparecido veludo,
seguramente não há enigma na tua maneira,
talvez não sejas mistério,
todo o mundo sabe de ti
e pertences ao habitante menos misterioso
(...)
Pablo Neruda

Puta Arrogante

1 comentário:

Puta Valente disse...

Muito, mas muito bem escolhido, apenas Neruda teria a capacidade de algo tão belo... Além de lindo, cai-te muito bem!
Beijinhos!