segunda-feira, junho 02, 2008


Passa a mão pela minha pele e diz-me o que sentes, para que te possa contar o que vejo, o arrepio que se prende na espinha e sabor que me vem à boca…
Doce desejo que me consome as entranhas a velocidades alucinadas, trazes na boca, que me beija, o veneno da prisão.
Prendes-me as mãos atrás das costas, magoas-me e sabes disso, queres-me submissa, mordo-te a língua num beijo sôfrego, que colas na minha boca, libertas-me em grito de agonia e chamas-me “Puta!”…
Fujo para um dos cantos das quatro paredes que nos rodeiam… o meu olhar desafia-te, o meu corpo arde de desejo, mas nunca te suplicarei… queres? Vem buscar, pode ser consigas…
Consegues sempre, nunca da mesma forma, mas acabamos como animais, deitados no chão em gemidos uno, em silêncios oportunos, consumimo-nos nas investidas desta dança que é o sexo, e não paramos no culminar do orgasmo, não… ainda agora começou.

7 comentários:

NM disse...

Visita-me em http://prazeroculto.blogspot.com

Um beijo e parabéns por este fabuloso texto

Fecho Aberto disse...

Texto maravilhoso digno de uma Puta Muito Valente! Parabéns!

http://obeijodoce.blogs.sapo.pt/

O_Silencio disse...

Contagiante e hipnotico, vivi cada imagem. Obrigado pela partilha

Fabio disse...

falam falam mas FUDER qué bom nada!

Abssinto disse...

Arde!

*

Masturbatrix disse...

Uma palmada bem dada ninguém esquece, já dizia minha mãe.

Puta Valente disse...

corações....
obrigada!